O diário de um imortal

Loading...

sábado, 19 de fevereiro de 2011

capítulo 1 - ele chegou com passadas curtas e calmas.

Era uma noite mas escura do que as outras, o céu que era estrelado o ano inteiro naquela noite estava nublado. As lâmpadas dos postes estavam mais fracas, perto de queimar, algumas estavam até apagadas. Com passadas curtas e calmas ele surgiu com o olhar voltado para o horizonte, andou como se tivesse todo tempo do mundo, andou como se não temesse a nada.  Carregava no rosto um leve sorriso. Vestia uma calça jeans uma blusa de frio e tênis de corrida (todas as peças de roupas eram pretas).  O cabelo parecia ter sido relaxadamente penteados com as mãos. As mãos estavam guardadas dentro do bolso da blusa. Ele caminhou até metade da ponte olhou para o lado, parou se virou e continuou a olhar par o horizonte durante alguns segundos. Ele sentou na mureta de proteção da ponte e alternava o olhar entre o horizonte e o rio que corria logo abaixo dos seus pés. Assim ele ficou por alguns minutos até que resolveu voltar a andar. Uma criança olhava curiosa e escondida na janela da sua casa. Ele caminhou por mais alguns metros e se aproximou da grade da farmácia onde lá dentro estava uma jovem atendente de rosto simpático que assistia o jornal da madrugada. Como eu já disse ele se aproximou da grade e chamou a atenção da moça...                                                                                                                                                                                –Boa noite! Disse ele.               
Ela olhou com indiferente porem um pouco surpresa com a voz grave que não reconheceu, naquela cidade tão pequena, todos se conheciam até mesmo pela voz.                                                                                                                                                                                     
Pois não! Respondeu ela automaticamente. Entretanto a Jovem deixou toda a indiferença de lado quando reparou no rapaz que aparentava ter seus 20 ou 22 anos no máximo, com um rosto tão branco porem tão lindo e com um sorriso contagiante.                                                                                                                                                                                                                   
- Eu sou novo aqui, acabei de chegar de viajem e ainda estou um pouco perdido, você saberia-me dizer onde fica a republica de estudantes aqui nesse bairro? A jovem olhava extasiada para ele.                                                                                                                                               
você é viajante? Onde esta a sua mala?                                                                                                                                                                                
O sorriso dele sumiu de repente e se transformou em um semblante de desconforto total.                                                                                                   
-Rafael! Ouviu-se uma voz gritar no fundo da rua.                                                                                                                                                                          
– Não precisa mais, obrigado!                                                                                                                                                                                                                                                                Então o tal Rafael se distanciou e sumiu enquanto a atendente o olhava sem entender nada.                                                                                                                                                                     De repente uma nova voz surge e a assusta!        
 Sandrinha,cheguei!                                                                                                                                                                                                   
Sandrinha se vira para o outro lado rápido e da um pulo e um suspiro de susto.                                                                                                  
–Que droga Lucas, você me assustou!                                                                                                                                                                    
-Quem não deve não teme.                                                                                                                                                                                                  
-Palhaço!                                                                                                                                                                                                                                        -
-Seu pai já esta te esperando ali ó, encontrei com ele no caminho ele me deu uma carona.                                                                                       
–Ah, que bom!                                                                                                                                                                                                                   
Enquanto Sandra recolhia sua bolsa e abria a porta da farmácia, Lucas diz:                                                                                                                   
- Sandra, eu sei que eu já te falei isso um milhão de vezes, mas eu preciso falar de novo...                                                                                                 
–Arranja outro emprego Sandra, já passa da meia noite e você vai ainda hoje para a faculdade.                                                                                        
–Antes de terminar o semestre eu arranjo outro.                                                                                                                                                                 
– Dês do primeiro semestre você fala isso e hoje já começa o terceiro.                                                                                                                              
– Até amanhã Lucas!                                                                                                                                                                                                      
-Até.                                                                                                                                                                                                                                             
Sandra entra no carro cumprimenta seu pai com um beijo rosto e enquanto o carro andava, ela colocou braço para fora e acenou para Lucas. Ele correspondeu o aceno com um semblante sério, meio indignado pelo desprezo que ela deu ao seu conselho. Enquanto o carro seguia a estrada reta, Sandra apoiava o cotovelo na janela do carro e se perdia em pensamentos sobre o rapaz que lhe pediu informação naquela noite.                                                                                                                                                                                                            
–Eu compro seus pensamentos Sandra.                                                                                                                                                                                       
–O que pai?                                                                                                                                                                                                                                                                                   
- Eu compro seus pensamentos.                                                                                                                                                                                                                        
Sandra deu sorriso amarelo e mentiu.                                                                                                                                                                                                                  
–Só estou pensando no que o Lucas me disse hoje sobre arranjar um novo emprego.                                                                                                                                      
Mas, não é só Lucas que diz isso, todo mundo diz isso para você, eu já disse, sua mãe, suas amigas de faculdade, e não foi só hoje, eu pelo menos digo quase todo dia, mas você é cabeça dura igual sua avó...                                                                                                                                                                                                                                             
–Aaaah. Esta bem pai, chega!                                                                                                                                                                                                                                
Sandra Chegou em casa cumprimentou a mãe tomou um banho e foi logo dormir.  Naquele dia ela acordou cedo como já era de costume se arrumou tomou café da manhã e foi para a faculdade. Ela atravessou os portões da faculdade correndo enquanto mexia no interior da mochila, quando de repente trombou em alguma coisa.                                                                                                                                                       
–Opa! Cuidado!Calmamente disse alguém.                                                                                                                                                                                                   
–Desculpe, eu estava distraída e...                                                                                                                                                                                                                     
Ela não reconheceu a voz, mas não deixou de se impressionar novamente como o sorriso contagiante.                                                                                                         
– Oi... , diz Sandra surpresa e meio envergonhada.                                                                                                                                                                                                                                                                             
– Como vai?                                                                                                                                                                                                                                                                         
-Tudo bem Rafael, e você?                                                                                                                                                                                                                                        
-já sabe meu nome!                                                                                                                                                                                                                                                    
-ouvi seu amigo te gritar ontem ,digo,hoje.                                                                                                                                                                                                              
– E falando nisso, você não respondeu minha pergunta. Onde estava sua mala quando você chegou?                                                                                                  
- É que eu odeio carregar malas, eu mandei uma mala pelo meu amigo umas duas semanas antes quando ele veio para cá para  organizar a republica.                                                                                                                                                                                                                                                  
– olha... Eu ainda não sei seu nome.                                                                                                                                                                                                                        
– ah! Desculpe. É Sandra.                                                                                                                                                                                                                                           
– Olha Sandra me desculpe à grosseria mas, eu preciso ir agora , estou em cima da hora da minha aula.                                                                                               
– AH MEU DEUS! A aula!                                                                                                                                                                                                                                             
- Tchau Rafael.                                                                                                                                                                                                                                                            
Sandra saiu correndo para chegar a tempo na sala de aula. Ela correu e chegou logo atrás do professor quando ele entrava na sala. O professor chegou agitado, entrou na sala e logo começou a falar, enquanto o professor falava sobre a matéria que ele ia lecionar, Sandra estava sentada na recostada na parede e perdida em pensamentos sobre a única republica de estudantes da cidade. Contando com o Rafael eram quatro moradores, todos tinham muito boa aparência, e se vestiam de forma muito elegantes, mas todos eram muito pálidos. Não eram muito vistos fora de casa, eram todos simpáticos mas não tinham nenhuma amizade com outras pessoas senão entre eles. Isso foi tudo que ela conseguiu lembrar ao longo de todas as aulas daquele dia. Quando ela saiu do prédio da faculdade e chegou no pátio  estavam todos os rapazes da republica sentados em dois bancos de alvenaria da faculdade formando um semicírculo em quanto conversavam animadamente.  Sandra olhou duas vezes furtivamente para o grupo , no segundo olhar Rafael a viu.                                                                                                                                                                                                         
– Oi Sandra ! cumprimentou Rafael!                                                                                                                                                                                                                                          
-Ola Rafael ! como vai ?                                                                                                                                                                                                                                                                  
- Tudo bem comigo . e você ?                                                                                                                                                                                                                                
- Tudo bem.                                                                                                                                                                                                                                                                   
– Conhece meus amigos ? esse é o Pedro , Felipe e o Guilherme.                                                                                                                                                                       
Todos acenaram e sorriram agradavelmente ,  com exceção do Guilherme. Ele tinha um sorriso estranho que causava calafrios em Sandra.                                                                                                                                                                                                                                                                           
–São eles que dividem a republica comigo , foi o Felipe quem me chamou hoje quando cheguei.Logo em seguida chegaram mais duas amigas de Sandra,a Kesia e Paola  chegaram felizes e cumprimentaram a amiga. Sandra as cumprimentou com a mesma animação. Ela tratou de fazer as devidas apresentações todos os rapazes novamente foram simpáticos  mas o Guilherme não sorriu da mesma forma para as outras duas meninas o que a deixou mais preocupada ainda. Todas as meninas incluindo Sandra, obviamente, se juntaram aos rapazes e conversaram por algum tempo antes de ir embora. Sandra aproveitou para saber mais sobre eles , especialmente Rafael. Descobriu que ele cursava o penúltimo período de arquitetura , trabalhava como fotografo free-lance , era órfão dês dos 17 anos, agora tinha 22 e morou um tempo com sua tia e tio logo assim que perdeu os pais. Morava em um estado vizinho , se mudou para esse estado assim que conseguiu uma transferência de faculdade e veio para cá a fim de melhores possibilidades de trabalho. Sandra foi para casa falou com sua mãe ,sua avó seu irmão , tomou um banho e sentou no sofá. Enquanto assistia televisão seu pai chegou austero em casa pousou a  pasta e no sofá vazio da sala se pôs entre a tv e sua filha e disse rispidamente.                                                                                                                                  
–Você vai pedir demissão hoje mesmo .Você não vai mais trabalhar naquela farmácia ou em qualquer outro trabalho com um horário daquele.                                                                                                                                                                                                                 
Em uma outra situação Sandra discutiria com seu pai mas a julgar pelo comportamento dele ela achou melhor tomar uma atitude mais defensiva.                                                                                                                                                                                                                                                                              
–O que houve pai ?                                                                                                                                                                                                                                                  
-O que houve Jorge ?  perguntou a mãe de Sandra aparecendo na sala junto com o  resto da família.                                                                                                      
– Hoje de manha encontraram um homem morto a 500 metros da farmácia em que Sandra TRABALHAVA. Porque a partir de hoje ela não trabalha mais lá.                                                                                                                                                                                                                                           
–Valha me Deus ! que horror !                                                                                                                                                                                                                                   
- Pois é mamãe ! O pobre coitado foi encontrado dentro de um matagal com o pescoço quebrado com um corte no pulso sem uma gota de sangue dentro do corpo e nem em volta dele.                                                                                                                                                                                     
– A policia não tem nem suspeitos.                                                                                                                                                                                                                     
– E quem foi o pobre coitado  que foi morto desse jeito ? perguntou dona Silvia, mãe de Sandra.                                                                                                         
– Dizem que era um mendigo de uma cidade vizinha. O apelido dele era Capivara , todo mundo o conhecia lá em porto firme.                                                 
“Nossa ! Ontem à noite , foi quando o Rafael chegou ! e ele chegou a pé ! será que ele não viu alguma coisa ? Ele estava muito calmo .  Ele disse que veio de outro estado , como ele chegou aqui a pé ? Meu Deus Será que ele tem alguma coisa ver com isso !”  Assim pensava Sandra.  Sandra Depois de ouvir a historia do pai imediatamente pegou o telefone ligou para seu chefe e pediu demissão. Sandra Foi dormir pensando que Rafael poderia ser o culpado por uma morte tão brutal , mas ao mesmo tempo ela tentava criar halibis para Rafael. Sandra acordou a noite varias vezes e não dormiu mais quando pensou que era capaz de ela ser chamada para depor na policia já que o crime tinha acontecido bem perto de onde ela trabalhava. No dia seguinte em toda a cidade e inclusive na faculdade só se falava sobre aquela morte. Rafael e nenhum de seus amigos estavam na entrada da faculdade quando Sandra chegou , mas ela viu todos indo embora juntos , dessa vez eles um pouco mais tensos e conversavam em um volume de voz muito baixa  ,mas nenhum deles a viu. Quando chegou em casa sua mãe a esperava para ir ao centro da cidade, ela queria fazer as compras de mês e depois dar um passeio. Mãe e filha entraram no carro e foram para a cidade ,depois das compra no supermercado já tinha sido feitas , as duas começaram andar e olhar vitrines pela cidade. Enquanto Sandra olhava uma vitrine, uma voz suave e grave a fez ficar paralisada .                                                                                                                                                                                   
– É uma bela blusa.                                                                                                                                                                                                                                                      
Ela se virou e respondeu.                                                                                                                                                                                                                                            
– É, é sim,mas não faz muito meu estilo.                                                                                                                                                                                                                
-Eu não falei da blusa da vitrine , eu falei da sua blusa.                                                                                                                                                                       
–Ah,obrigada.                                                                                                                                                                                                                              
Sandra não estava muito à vontade , ela tinha medo de estar falando com um assassino, apesar e ela não querer acreditar naquilo.                                                                                                                                                                                              
– O que você faz por aqui ?                                                                                                                                                                                                                                     
- vim buscar meu carro ,ele enguiçou ontem em porto firme , lembra que eu cheguei aqui a pé? Eu estava passando por aqui vi você e resolvi parar aqui para falar com você.                                                                                                                                                                                 
-Se você tem um carro porque pediu para seu amigo trazer sua mala ?                                                                                                                              
-Caramba !como você gosta de fazer perguntas !                                                                                                                                                                                                    
-Sandra ! olha só o que eu achei ...                                                                                                                                                                              
disse dona Sônia.                                                                                                                                                                                                                                     
–Mãe esse é o Rafael ele é um amigo da faculdade.                                                                                                                                                                                             
– Muito prazer senhora ! como vai ?                                                                                                                                                                                                        
Depois de alguns minutos de conversa , Rafael já tinha conquistado a confiança de dona Silvia , com toda sua simpatia e educação. Rafael convidou Sandra para tomar um café . Sandra tentou inventar um desculpa mas sua mãe insistiu e Rafael sorria de uma forma quase hipnótica . Ela acabou aceitando , eles então foram para uma lanchonete ambos pediram um café e começaram a conversar. Sandra vez estava tensa , porque tinha medo de estar conversando com um possível assassino .Ele falava e perguntava muitas coisas sobre ela, até que ela tomou coragem e resolver falar sobre o assunto que tanto lhe deixava aflita.                                                        
–Éé, Rafael , onde seu carro enguiçou exatamente ?                                                                                                                                                                            
- Foi em porto firme , perto da fronteira .                                                                                                                                                                                                                                   
–você não ficou com receio de andar por uma cidade desconhecida, e ainda mais naquele horário ?                                                             
- Se eu dissesse que eu não matei aquele homem você acreditaria?                                                                                                                             
Sandra  arregalou os olhos e engoliu em seco .                                                                                                                                                              
– Do que você esta falando ?                                                                                                                                                                                                                               
- Sandra! Por favor , não tente me fazer de idiota !                                                                                                                                                              
- Desculpe se eu te ofendi .                                                                                                                                                                                                             
–Você não me ofendeu e não tem porque se desculpar.                                                                                                                                            
– Rafael , seu café vai esfriar.                                                                                                                                                                                                             
– Ah sim , claro .                                                                                                                                                                                                                         
Rafael  pegou a xícara e bebeu todo o café de uma só vez . Sandra constrangida pela surpresa do que pareceu uma leitura de mente feita por Rafael, tratou logo de mudar de assunto. Logo após mais dois minutos de conversa Rafael disse que iria ao banheiro e se levantou e caminhou rapidamente até o mesmo.  Ele não demorou , mas quando voltou , estava com um semblante diferente, parecia fraco ou doente.                                                                                                                                                                               
–Sandra, eu não estou me sentindo muito bem , você se importa de continuarmos essa conversa um outro dia .                                                  
– Claro, claro . você quer ir para o hospital ?                                                                                                                                                                          
ele respondeu assustado ou quase amedrontado ...                                                                                                                                                       
- NÃO! Não precisa , logo eu melhoro.  Vou te dar um carona .                                                                                                                                      
–Não precisa , eu pego um ônibus.                                                                                                                                                                                               
–Sandra , eu não vou deixar você ir embora sozinha. Se você não quiser ir comigo , você liga para alguém e espero eles virem te buscar.                                                                                                                                                                                                                                                 
Rafael  não parecia ser um assassino , apesar de todas as evidencias apontar que sim , ele não parecia ser . Sandra resolveu então aceitar a carona.                                                                                                                                                                                                            
– Tudo bem , vamos então .                                                                                                                                                                                                                          
o carro de Rafael estava parado na calçada a uns quatro metros da porta da lanchonete . Era um Peugeot 206 cc , preto.  Rafael desligou o alarme deu a volta no carro e abriu a porta para Sandra. Eles entraram no carro e forma conversando todo o caminho até a casa de Sandra, eles viram que tinham muita coisa em comum, ouviam o mesmo tipo de musica gostavam dos mesmos esportes , mesmos livros e etc.                                                                                                                                                                                             
–Bom , chegamos .                                                                                                                                                                                                                                      
–Obrigada pela carona, tem certeza que não ir pra um hospital, por mim você não devia nem estar dirigindo.                                           
– De nada, esta tudo bem daqui a pouco eu já vou estar melhor.                                                                                                                           
– Até a próxima então.                                                                                                                                                                                                                 
–Ops, eu já ia esquecendo.                                                                                                                                                                                                             
Rafael  desceu e abriu a porta do carro para Sandra.  Ela sorriu um sorriso pequeno, porem grata e um pouco constrangida com tanta educação.                                                                                                                                                                                                                                     
– Agora sim. Até a próxima.                                                                                                                                                                                                                  
–Até.                                                                                                                                                                                                                                                                  
Sandra entrou em casa e novamente passou o dia inteiro pensando no misterioso Rafael. Algumas semanas se passaram e Sandra e Rafael se encontravam cada vez mais no final e antes do início das aulas. Sandra pensava “E ele é tão educado, inteligente e galanteador. E eu não vejo razão para ele ser o assassino daquele homem“. Outros assassinatos começaram a acontecer naquela cidade e nas cidades vizinhas.Todas as vitimas eram encontradas com algum corte pequeno no corpo e sem nenhuma gota de sangue no corpo, mas quando se fazia a autopsia do corpo a causa morte nunca era causada por hemorragia , algumas tinham o pescoço quebrado outras tinhas os ossos da face quebrados e o cérebro amassado. De repente um dia Sandra foi fazer um trabalho da faculdade na casa de uma amiga. Kesia a chamou para ajuda-la a terminar um trabalho da faculdade. As duas ficaram toda a tarde até de noite terminando o trabalho e logo depois conversando , quando deram por si já era quase meia noite. Sandra ligou para casa e avisou que ia dormir na casa de Kesia. Elas conversaram por mais algumas horas e foram deitar. Sandra estava sem sono sentada na cama com as costas apoiadas na cabeceira enquanto olhava pela janela. Certa hora  ela viu uma mulher que caminhava apressada e olhava para trás constantemente , logo atrás um homem a seguia, ela desconfiou de alguma coisa e se aproximou da janela e observou com cautela , logo depois, Guilherme passou pela rua calmamente . De repente ele saltou , e deu um salto para frente de mais de sete metros e agarrou e tapou a boca daquele homem que seguia a mulher , logo depois ele o arrastou novamente com um salto de mais de sete metros para dentro de um terreno baldio. Sandra ficou desesperada , assustada é difícil descrever o que ela sentiu naquele momento. Como era possível um homem dar um salto de mais de sete metros parado e carregando um outro ser humano com ele ? Sandra precisa ver aquilo de perto ele desceu as escada da casa de kesia de forma rápida e silenciosa ela apanhou a chave, abriu a porta e correu na direção do terreno baldio  ela se escondeu atrás de um poste e foi  então que em meio ao lixo e ao mato com mais de um metro de altura ela Viu Guilherme de costas abaixado chupando pescoço do homem misterioso que perseguia a mulher. Sandra de olhos arregalados tremia de tanto espanto e medo. Mas quando ela pensou em fugir e voltar para dentro da casa da sua amiga , De repente Guilherme levanta cabeça e aspira o ar 4 ou 5 vezes rapidamente  , como se fosse um animal procurando por sua presa açoitada. De repente novamente , ele vira para trás e olho direto nos olhos de Sandra. Guilherme que era um dos rapazes mais bonitos daquela cidade e que junto com seus amigos da republica arrancava suspiros de todas as meninas da faculdade agora ele tinha os olhos em um rubro chocante , caninos como os de um urso . Quando ele se pôs de pé com um olhar muito mais ameaçador do que aquele que ele tinha quando ela o conheceu ,  um vulto foi de encontro ao seu abdômen, e isto jogou no chão. Depois que Guilherme caiu no chão ela percebeu que o vulto era na verdade Rafael porem com o mesmos olhos vermelhos e os caninos de urso. Rafael Montou em cima de Guilherme e socou seu rosto varias vezes numa velocidade inacreditável. Rafael parou olhou para Sandra e gritou com uma voz grave rouco e enfurecida.                                                                                                                                                                                                                        
– FOGE SANDRA ! FOGE !                                                                                                                                                                                                                                                                         Nessa hora Guilherme o segurou pela blusa e o arremessou para longe de si. Quando Guilherme se pôs de pé  e saltou na direção de Sandra, Rafael Pulou nas costas de Guilherme novamente e o jogou no chão , dessa vez ele o estrangulou dando um “ mata leão “ . E novamente gritou:                                                                                                                                                                                                                            
- EU JÁ MANDEI VOCÊ IR EMBORA ! VAI LOGO ! VAI !                                                                                                                                                       
Sandra a atravessou a Rua correndo entrou na casa de Kesia e ofegante trancou a porta. Quando ela se virou Rafael estava sentado no sofá da sala de pernas cruzadas e sem aquele rosto assustador. Ela se virou e quando o viu suspirou assustada mas não gritou.                                                                                                                                                                                                                                     
–Tudo bem . Você esta segura agora.                                                                                                                                                                                              
Aquela situação era tão estranha que Sandra não tinha menor idéia do que perguntar primeiro.                                                                     
–Eu diria que eu estou pronto para responder todas as suas perguntas, mas como eu posso ler seus pensamentos, eu sei que você esta muito confusa então eu mesmo vou começar.                                                                                                                                                           
Ele respirou fundo e calmamente começou...                                                                                                                                                                                       
–Sandra , eu sou um Vampiro. Eu e todos os meus amigos.                                                                                                                                                                                                     
–E por isso eu posso ler seus pensamentos.                                                                                                                                                                            
–Sim , foi eu que  matei aquele homem, eu estava morrendo de sede por isso suguei o sangue dele , eu já estava a vários meses faminto , eu estava quase estragando meu disfarce de Vampiro. O qual nos tentamos disfarçar não mordendo pescoço das nossas vitimas, nos a matamos fazemos um corte no seu corpo e chupamos o sangue , com isso muita gente pensa que eles foram vitimas de algum psicopata ou algum maluco adepto alguma seita satânica.                                                                                                                                           
– Espera , para um pouco deixa eu fazer as perguntas agora.                                                                                                                                         
–Desculpe , eu já ia parar !                                                                                                                                                                                                        
- O que houve com você naquele dia que você passou mal ?                                                                                                                                                                  
- Como os vampiros passam muito tempo sem comer comida de gente, nosso organismo sofre algumas modificações, naquele dia eu fui até o banheiro e vomitei todo o café junto com um pouco de sangue.                                                                                                           
– E o Guilherme ? o que vai acontecer com ele ?                                                                                                                                                                  
- Nada , ele vai ficar bem. A cicatrização nos vampiros é relativamente rápida. Ele só quebrou alguns ossos ele vai sentiu um pouco de dor mais vai ficar bem.                                                                                                                                                                                                        
Rafael se levanta e vai caminhando vagarosamente na direção de Sandra.                                                                                                            
– Bom Sandra , para resumir um pouco em momento algum eu menti para você , apenas omiti algumas coisas. E uma delas é que eu não poderia estar te contando tudo isso , por causa disso só me  resta uma coisa a fazer .Nesse momento Rafael novamente se transforma tampa a boca de Sandra enquanto ela o encarava com os olhos arregalados de medo. Ele puxou a cabeça um pouco pra o lado com a outra mão abaixou o ombro dela e lhe cravou os dentes no pescoço, enquanto ela fechava os olhos e chorava de dor. 
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           

Um comentário:

  1. Que interessante!
    Bem que desconfiei que eles eram vampiros...
    Adorei o primeiro capitulo.
    Parabéns pela história.
    Bjos.

    http://booksedesenhos.blogspot.com

    ResponderExcluir